Buscar
  • App Minha Escola

Ser criança...

O primeiro post de outubro é sobre ser criança. Esse mês vai ser todo especial, pois iremos falar sobre a infância e a importância de deixar as crianças vivê-la em sua integridade. Lembra como era bom sair correndo pela vizinhança, se sujar um monte, brincar até tarde na rua e não querer ir pra casa? O texto é da psicopedagoga Lisandra Pionner. Vamos fazer algumas reflexões...


"Basta estudar um pouco da história da humanidade para nos depararmos com as mais diversas interpretações da infância, dependendo da época e da origem do povo em referência. O que me faz acreditar que o sentido dessa fase é dado conforme a cultura e o conhecimento das pessoas. Vivemos em pleno século XXI e as indagações acerca de como lidar com a infância – e os infantes – prosseguem.


Aliás, isso é ótimo! Porque são exatamente as dúvidas que nos fazem progredir em relação aos mais diferentes assuntos. As certezas nos boicotam, pois não nos impulsionam à busca de novas visões, novas propostas, novos desafios. Porém, tanto a Ciência quanto a Educação progrediram muito e exatamente por isso, não temos mais o direito de fazer “ensaios” com nossas crianças. Já há formas de prevermos, embasadas em estudos, as consequências de determinados experimentos.


Uma das coisas que tem se contestado cada dia mais, é a importância de se viver efetivamente a infância, de se ser criança, na fase certa. E mesmo o conhecimento e as informações sendo cada dia mais acessíveis ao grande público, ainda observo famílias transbordando de vaidade ao se depararem com seus pequenos de, não mais do que 4 aninhos, lendo. Eles mal sabem pular num pé só, não têm a menor noção de lateralidade, não abotoam suas camisas, muito menos amarram seus cadarços, mas... já “leem”!


As crianças já não podem mais brincar na rua, como antigamente – muito se perdeu em convivência e amizades – e é disso que as crianças estão sentindo falta: menos formalidade e mais ludicidade! E nesses dois últimos anos, isso se intensificou ainda mais...


Antes de ler, a criança precisa de um aparato íntegro e harmonioso de habilidades físicas, neurológicas e emocionais. Precisam trabalhar percepção, esquema corporal e temporal, entre tantos outros pontos. Portanto, antes de se vangloriar quando seu pequeno começar a juntar letrinhas, verifique o quanto de autonomia e espontaneidade infantil ele ainda possui. Se sua resposta for “pouca”, é hora de lhe oportunizar vivências infantis. Permita que sua criança brinque, aproveite, arrisque-se, faça uso de todo o seu potencial corporal – ajudará muito (e em tudo)!"

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo