Buscar

Educação Infantil: Retenção de clientes em tempos de crise

Atualizado: Mai 6


Você já se perguntou como continuar com a sua escola diante desse cenário de isolamento social? E que ninguém sabe quando chegará ao fim? Com certeza você já se fez essa pergunta. Por isso, a agenda digital Minha Escola falou com especialistas em finanças, educação e marketing do Sebrae para ajudar você nesse momento de quarentena a seguir em frente!!


Antes de mais nada, é possível sim criar ações para retenção e engajamento das famílias e principalmente fortalecer sua escola nesse momento. E para você saber o que precisa ser feito para reter seus clientes, vamos navegar por 3 assuntos: Análise do cenário COVID-19 na educação infantil, proposta de valor para as famílias e a higienização das escolas que será um dos grandes diferencias pós pandemia.

Planejamento: Controlar emoções, analisar, agir.

Estamos diante de uma situação única e atípica. É uma situação nova para todos, e pode ter certeza que nesse momento alunos, famílias, educadores, ou seja, ninguém está na sua zona de conforto. Esse período de quarentena nos vem mostrando muitas coisas que pensávamos ter resolvido e que estavam sob controle, mas que realmente não era bem assim. Por exemplo, o cenário de algumas escolas de educação infantil:

* Não tinham fluxo de caixa para um possível problema. * O negócio não está adaptado a novas formas de comunicação e de fortalecimento de vínculo com as famílias. * Se não estou presente, não consigo oferecer a proposta de valor a qual tinha me comprometido.

Ao analisar esse cenário, o importante é não deixar que nossas emoções nos dominem e entender o que não podemos controlar e o que podemos. Não podemos mudar o passado, não temos controle do vírus, não temos controle da situação política e nem dos decretos que nos são impostos. Mas há outras coisas que podemos controlar. Temos o controle das ações que podemos tomar hoje e que construirão o nosso futuro. Temos o controle de analisar onde estamos errando, e onde precisamos melhorar e aprender para construirmos nosso futuro. Por isso, respire e assuma o controle.

O primeiro passo é se acalmar, respirar e não deixar as emoções tomarem conta. Devemos identificar quais os medos que estamos tendo e pensar em um plano de ação. Você se perguntou recentemente: qual é o seu medo mais importante? Obviamente, isso tem a ver com uma questão financeira, mas, colocando-a em palavras, podemos começar a ver a solução. O medo me mostra onde me sinto desarmado. Se eu não tenho um plano, não é surpresa que eu não saiba para onde ir. Financeiramente, precisamos saber do que estamos falando: Quais são nossas despesas fixas e variáveis? Quanto temos em caixa? Quanto tempo podemos sobreviver sem renda? Eu falei com as famílias? Eu comuniquei a situação corretamente? Dessa maneira, podemos tirar conclusões reais e não nos deixar levar pelas emoções. Podemos ver se realmente não temos recursos, se realmente temos famílias ou não, e podemos analisar se as emoções que estamos tendo estão nos impedindo de ver os recursos e as possibilidades que temos pela frente. Vamos colocar tudo em números que não mentem para nós e que são claros. Em cima desse novo cenário como podemos desenvolver uma proposta consistente de valor para nossos clientes?


RETENÇÃO DAS FAMÍLIAS E A PROPOSTA DE VALOR DA ESCOLA A linguagem dos números nos fala com muita clareza e nos ajuda a pegar informações e nos preparar para que isso não aconteça novamente. Precisamos ajustar nosso modelo de negócios a um mundo no qual teremos que aprender sobre isolamento social, cuidar do planeta (que não é mais uma opção) e entender que o digital permeia o mundo analógico e deve fazer parte de nossas propostas. Digitalizar implica gerar valor agregado (que está sempre presente, mas é visível hoje), implica em economizar tempo e ganhar soluções. Aqui na agenda digital Minha Escola temos um lema: Mais pedagogia e menos burocracia. Atualmente, quantas tarefas descobrimos que poderiam ser realizadas sem estar presente? Reuniões, planejamento, aulas, atividades, hora do conto e por aí vai. Hoje a situação, o contexto, nos ensinou que você pode. É uma mudança em que é preciso se adaptar e quem fizer primeiro vai sair na frente. As famílias são seus clientes, ou seja, damos a elas um valor em troca do pagamento. Nós lhe damos uma solução. O que devemos nos perguntar é qual é o problema que as famílias estão enfrentando hoje? Qual é a solução que podemos oferecer que é valiosa hoje? Aqui vem um ponto de reflexão: Há uma lacuna entre o que muitas escolas veem e o que muitas famílias percebem. As escolas de educação infantil sabem que sua proposta de valor é o desenvolvimento das crianças no nível pedagógico. Mas será que as famílias também tem essa visão? Agora reflita e não pense como coordenadores ou diretores de escolas, mas como essas famílias que são seus clientes. Quantos enxergam sua escola dessa maneira? O que está fazendo para reforçar o valor real dos seus serviços? Hoje, quando as famílias procuram as escolas de educação infantil, elas estão buscando basicamente duas coisas: cuidado e carinho com seu filhos e, além disso que eles aprendam e se desenvolvam. E nessa segunda opção que começa o nível de inovação e criatividade nesse momento de isolamento social.


Esteja presente na rotina das famílias e no desenvolvimento das crianças

Voltando a pergunta do nosso subtítulo, a resposta simples é que a única maneira de retê-las com eficiência é criar valor para essas famílias de alguma forma. Para isso, o primeiro passo é conectar-se a elas, ter uma comunicação clara e assertiva e gerar engajamento de ambos os lados. As famílias não têm noções pedagógicas, por isso devemos ajudá-las nas rotinas. Dizendo a elas algo como "seu filho aqui na escola adorava brincar com uma bola e, com isso, ele se divertida e se acalmava" . Essa informação é muito valiosa e certamente ajuda na rotina das famílias nesse momento e gera um fortalecimento de vínculo incrível. São as educadoras que saberão exatamente o que podem fazer para ajudar as famílias. A partir de um relatório personalizado de cada criança, o que ela come, o que gosta, o que a diverte, o que está aprendendo, como orientá-la, enviar essas informações de forma personalizadas para cada família e a cada período de tempo é uma ótima opção nessa quarentena.


Durante a pandemia, as famílias precisam que a escola e as educadoras estejam presentes, levando carinho e aprendizagem aos seu(s) filho(s), mostrando que o(s) conhecem e estão ali, mesmo longe fisicamente, ajudando com atividades e com estímulos. Devem oferecer apoio emocional às famílias.

É aconselhável aplicar um desconto menor em todas as parcelas ou ver caso a caso?

Antes de tudo, precisamos pensar sobre essas famílias e qual é sua situação econômica. Elas também viram sua renda em risco? Você quer oferecer um plano de descontos ou isenção? Você precisa saber se a sua escola se adapta a essa proposta. E aqui vem outro ponto de reflexão: A paixão, a vocação e todo o amor que você deposita como diretora na sua escola é louvável, é essa energia que move a sua instituição de ensino. Mas a escola é uma empresa, e como qualquer negócio com CNPJ precisa ser rentável.


Neste momento, a comunicação administrativa é muito importante e precisa ser transparente e detalhada. É importante comunicar a questão das cobranças e de que forma vai fazer (precisa analisar os números para elaborar uma proposta de desconto ou isenção). Certamente, é inteligente oferecer um desconto, como ferramenta de negociação e gerar "empatia com as famílias para enxergarem a escola como parceira".

Sabemos que os custos fixos permanecem, mas também alguns custos variáveis ​​diminuem. Se optar pelo desconto, a dica que damos é: O desconto deve ser feito de acordo com os custos variáveis ​​e, se o comunicarmos às famílias de forma objetiva, a chance de entenderem é grande.


A higienização será um diferencial competitivo

Quando tudo isso acabar a higiene será sem dúvida um outro valor SUPER importante. As famílias vão começar a se preocupar com tudo que tem a ver com a proteção de seus filhos contra o vírus, como se estivessem em casa. Então se já não começou, comece agora a trabalhar fortemente esse assunto. Além da sua escola trabalhar a higienização, ela precisará mostrar as famílias através de uma boa comunicação (redes sociais, agenda digital escolar, sites...) pois será um grande diferencial competitivo. As famílias precisam perceber esse valor no pós-pandemia. Busque orientações nos órgãos competentes e com profissionais especializados para fazer desse tema um diferencial na sua escola.


Para concluir, a maior certeza é de que as escolas que conseguirem se adaptar a esse novo cenário ficarão ainda mais fortes e mais confiantes na educação. O time da agenda digital Minha Escola está pronto para ajudar você e sua escola no que for preciso. Vamos passar juntos por essa crise. Contem conosco, sempre!


Telefones

+ 55 54 9 9158.0014

+ 55 54 9 9157.4993